A Equipa do Projecto

A essência do HISTORIAS DE AFRICA é uma vasta parceria. O projecto concentra-se em gerar, manter e expandir continuamente uma rede de parceiros singularmente empenhados de campos muitíssimo variados e em estimular sinergias entre eles. As mulheres e pessoas que vivem com o HIV/SIDA (PVHS) desempenham um papel fundamental em todos os aspectos do processo do HISTORIAS.

As Equipas dos Concursos

Em cada um dos países do núcleo do projecto, a Global Dialogues nomeia um Coordenador Nacional (CN) do HISTORIAS DE AFRICA. Os CNs são agentes sociais escolhidos pela sua dedicação, excelência profissional, integridade e abordagens com base em parcerias do combate ao HIV/SIDA.

Os concursos do HISTORIAS são implementados a nível nacional por equipas das principais organizações associadas, cuidadosamente seleccionadas pelos CNs, totalmente soberanos na sua escolha de parceiros locais, com excepção da centralidade exigida de mulheres e PVHS em todos os países. Essas principais organizações associadas, por sua vez, mobilizam os seus parceiros locais, contactos nos media, aliados em instituições do estado e escolas para chegarem aos participantes do concurso.

Desde o primeiro concurso do HISTORIAS, em 1997, que nos foi prestado um contributo inestimável por parte de indivíduos e organizações que aderiam pró-activamente ao projecto e numa base de voluntariado, para mobilizarem participantes noconcurso nas suas áreas.

As iniciativas relacionadas com o concurso dos media internacionais e na Internet ajudam a apoiar os Coordenadores Nacionais nos seus esforços para garantir que o concurso abranja jovens do continente inteiro. Entre os parceiros fundamentais incluem-se a popular revista para adolescentes Planète Jeunes, TV5Monde, Radio France Internationale, CRIPS (a organização francesa que criou o conceito do HISTORIAS), o UK NGO AIDS Consortium e a Communication Initiative.

Na edição 2010/11 do concurso, amigos no AIDSPortal foram fundamentais para forjar uma parceria nova e vibrante com o MXit, sedeado na África do Sul, uma rede social com vários milhões de utilizadores que oferece chats on-line gratuitos e muito mais. O MXit proporciona um apoio generoso aos concursos e chega a participantes de vários países africanos.

Os Participantes e Vencedores do Concurso

Mais de 150 000 jovens Africanos participaram nos concursos do HISTORIAS desde 1997. Eram oriundos de 50 países africanos, com idades compreendidas entre os 5 e os 24 quando criaram as ideias que submeteram a concurso e viviam em zonas rurais, urbanas e periurbanas.

Os vencedores de edições anteriores – alguns dos quais são jovens profissionais talentosos em campos relevantes para o HISTORIAS – desempenham um papel cada vez mais importante em várias fases do projecto. Mostraram ser membros altamente eficientes de equipas de concursos, ajudando quer a nível comunitário quer a nível dos media. Os júris dos concursos incluem cada vez mais antigos vencedores, tal como a produção dos filmes do HISTORIAS, as equipas de dobragem e de distribuição. Talvez mais importante seja o facto de muitos dos antigos vencedores se considerarem embaixadores permanentes do HISTORIAS, divulgando constantemente o processo e os materiais audiovisuais daí resultantes, onde quer que os seus caminhos os levem – da Zâmbia a uma universidade na Argélia, do Burkina-Faso para a indústria de cinema em Paris e Londres, de aluno da escola secundária a um cargo de Juiz da Magistratura que defende os direitos das mulheres ….

Os Membros do Júri

Os vencedores dos concursos do HISTORIAS são seleccionados, a nível nacional e internacional por júris compostos por pessoas que vivem com o HIV, especialistas em produções de audiovisual e outras áreas das comunicações, peritos no âmbito da prevenção, tratamento do HIV e cuidados associados ao vírus, activistas, e jovens (especialmente vencedores de edições anteriores).

Até ao momento, representantes de mais de 500 organizações distintas integraram os júris. Esses indivíduos salientam com frequência que fazer parte dos júris do HISTORIAS propicia o desenvolvimento de contactos e sinergias profissionais duradouros, frequentemente tendo por base a amizade.

As Equipas de Produção e Dobragem dos Filmes

Especialistas de um âmbito variado de campos artísticos e académicos – sociologia, saúde pública, psicologia, antropologia, estudos de comunicação e media… – colaboram na adaptação de um cenário original. O argumento adaptado é, em seguida, exaustivamente pré-testado e repetidamente emendado, frequentemente durante um período de vários meses, com a ajuda de organizações sedeadas nas comunidades, especialmente organizações de pessoas que vivem com o HIV.

Depois, os cineastas mais aclamados da região, a trabalharem em colaboração com produtores Africanos, dirigem equipas compostas por alguns dos melhores talentos africanos da representação e por técnicos de créditos firmados, para criarem os filmes do HISTORIAS. Músicos famosos e outras celebridades envolvem-se frequentemente no processo. Sempre que possível, o jovem autor desempenha um papel fulcral no processo, como consultor presente na rodagem, como actor dos filmes ou até como assistente de realização.

Ao longo destes últimos anos, e com o objectivo de dar resposta quer a recomendações prioritárias de avaliadores externos quer a exigências expressas de utilizadores dos filmes do HISTORIAS espalhados por todo o continente, foi dado um ênfase especial à dobragem dos filmes não só para Inglês, Francês e Português, mas também em línguas  Africanas fundamentais. A versão portuguesa é produzida gratuitamente graças ao generoso esforço constante do melhor estúdio de dobragem do Mundo Lusófono, Santa Claus Audiovisual, situado em Cascais.

De início, responder eficazmente à necessidade de versões em línguas Africanas dos filmes do HISTORIAS não foi tarefa fácil, pois a capacidade técnica necessária ou não existia ou ainda não estava suficientemente desenvolvida para produzir dobragens de elevada qualidade. Desse modo, HISTORIAS DE AFRICA investiu muito no desenvolvimento de capacidades de dobragem profissional no Benin, no Burkina-faso, no Congo, no Gana, no Mali, na Nigéria, no Ruanda e no Senegal. Membros das equipas de dobragem do HISTORIAS nesses países informam que as capacidades e reputação que adquiriram com a produção de versões nas línguas locais são tais que, actualmente, são chamados com frequência para dobrarem outras ferramentas audiovisuais de uma variedade de tópicos relativos ao desenvolvimento.

Parceiros de Distribuição dos Filmes

São disponibilizadas cópias para emissão dos filmes do HISTORIAS DE AFRICA às estações de televisão, sempre numa base não lucrativa e de cedência de direitos. Esse processo foi facilitado por várias organizações, incluindo a Commonwealth Secretariat, Commonwealth Broadcasting Association, Television Trust for the Environment (todos Reino Unido), CFI (França), Abraço (Portugal) e Reporters sans Frontières (França e internacional).

Histórias de África recebeu o estatuto de organização sem fins lucrativos do YouTube. Tal oferece muitas vantagens, incluindo o direito de carregar filmes mais longos do que o limite habitual.

Parceiros de Avaliação

Com excepção da avaliação externa (dirigida em 2008/9 pelo consultor independente Sié Offi Somé do Burkina-Faso), as actividades de avaliação qualitativa e quantitativa dos filmes do HISTORIAS são realizadas de uma forma interactiva continua pelos que desempenham papéis fundamentais no processo do HISTORIAS: participantes dos concursos, membros das equipas do concurso e de selecção e suas organizações e pessoas que utilizam os filmes a nível comunitário. Os pareceres sobre a conceitualização de ferramentas de avaliação são fornecidos por especialistas de uma variedade de áreas académicas, principalmente da Universidade de Emory em Atlanta.

Financiadores e Patrocinadores

O principal apoio financeiro do HISTORIAS DE AFRICA provem da Comic Relief (Reino Unido), HIVOS (Países Baixos), Freedom to Create (Singapore) e Emory University (EUA).

Fontes adicionais de financiamento desde a criação do projecto incluem: O Departamento para o Desenvolvimento Internacional (DFID, Reino Unido), GTZ (Alemanha), Cordaid (Países Baixos), PLAN International (Burkina Faso), National Lottery Charities Board (Reino Unido), Pfizer Foundation (EUA), UNDP, UNFPA, o IMF Civic Program, Canal + Horizons (França), e o British High Commission (Gana).

O valor monetário total do apoio prestado em serviços ao HISTORIAS DE AFRICA desde 1997 ultrapassa em larga escala o valor dos financiamentos recebidos. As fontes de apoio prestado em serviços incluíram: Abraço (Portugal), Academy for Educational Development (EUA), Accor (França), Action Duplication (EUA), Africa Consultants International (Senegal), Africare (Tanzania), Air Afrique, Air Burkina, Air France, amnesty international (Togo), Association African Solidarité (Burkina Faso), Belgian Technical Cooperation, Brakina (Burkina Faso), British Council, Catholic Relief Services (Senegal, Burkina Faso, Tanzania), Cassero (Bologna, Itália), Centro Cultural Espanhol (Guiné Equatorial), Centros Culturais Francês (Guiné Equatorial e Burkina Faso), CFAO (França), CFI (França), Clinton Foundation (Tanzania), Commonwealth Broadcasting Association, Commonwealth Secretariat, Creative Associates International (Benin e EUA), CRIPS (França), DED (Alemanha), Deutsche AIDS Stiftung (Alemanha), DHL (Reino Unido, Portugal e EUA), Duplication Company (Reino Unido), Edward Thompson Group (Reino Unido), Emory University (EUA), FedEx Kinkos (EUA), Fine Cut Facilities (Reino Unido), Focus on Young Adults (Washington D.C.), Futures Group International (Mali), Humphries Video Services (Reino Unido), Initiative Jeunes (Niger), ITN (REINO UNIDO), Johns Hopkins University Center for Communication Programs (Gana), Kellmatt (Reino Unido), Médecins sans frontières, Mister Video (Portugal), National Alliance Against AIDS (ANCS; Senegal), Newcastle Sporting Club (Reino Unido), Newcastle University's Audio-Visual Centre (Reino Unido), OMS (Burkina Faso), One World TV (Reino Unido), Ouaganet (Burkina Faso), PALIH2/CCISD (Haiti/Canada), Peace Corps (EUA), Planète Jeunes (França), PLAN International (Senegal, Burkina Faso), PSI, Radio France Internationale, Rainbow of California (EUA), Red Cross (Senegal, Tanzania), Reuters, Royal Tropical Institute of the Netherlands (KIT, Paísos Baixos), Santa Claus Audiovisual (Portugal), Servizio Sanitario Regionale Emilia-Romagna (Itália), SIDA-Entreprises (França), Student Partnership Worldwide (Tanzania), Swatch (Suíça), Swiss Tropical Institute, Television Trust for the Environment (Reino Unido), TNT (Reino Unido), TV5Monde (França), UNAIDS, UNICEF (Madagascar, Swaziland), UPHOLD (Uganda), UK NGO AIDS Consortium, USAID, e VSO.